Enviado por: Maria Cristina Meirelles em 05/03/2021 16:08:02 103 leituras

Notícias SAAE realiza dragagem para remoção do lodo da ETE Tibiriçá

SAAE realiza dragagem para remoção do lodo da ETE Tibiriçá
Responsável pela coleta e tratamento do esgoto sanitário da cidade, o Serviço Autônomo de Águas e Esgotos (SAAE) realizou operação de dragagem com deságue, contenção e armazenamento do lodo, por meio de bags (enormes sacos de polipropileno de alta resistência), para separar e posteriormente desidratar o lodo gerado no esgoto sanitário depositado na lagoa anaeróbia da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Rio Tibiriçá, responsável pelo tratamento de 47% do esgoto de Garça. A obra teve início em outubro do ano passado e, após seu término, o tratamento de esgoto já apresentou eficiência superior à esperada e projetada junto ao Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro), responsável pela concessão de parte dos recursos financeiros para a execução do projeto.
“Adotado por várias companhias de saneamento do País, neste processo de remoção do lodo, o material é dragado, feita a dosagem de polímero e bombeado para dentro dos bags que funcionam como “filtros”, onde a parte líquida é drenada e retorna para o tratamento e a parte sólida fica retida para posterior destinação correta, seja em aterro sanitário ou transformado em adubo”, explicou o coordenador de Meio Ambiente do SAAE, engº Carlos Henrique Stocco Ortolan.
O objetivo é devolver a eficiência total do sistema de lagoas, que ao longo do tempo sofreu um processo de assoreamento com o acúmulo de lodo e areia nos leitos. A coleta e o tratamento do esgoto e aí, inclui-se a remoção e o acondicionamento correto do lodo é fundamental para a proteção da saúde pública, um dos pilares da Autarquia. Além disso, está diretamente ligado a preservação do meio ambiente. O bag para desidratação de lodo faz a separação de líquidos e sólidos de maneira mais ágil, econômica e ambientalmente viável.
No Brasil, apenas 20% dos municípios contam com estações de tratamento que retiram a sujeira do esgoto e devolvem a água limpa aos rios. Garça faz parte desse percentual, com um índice muito superior ao registrado pela maioria das cidades do estado de São Paulo, 98% de esgoto tratado. Atividades como essa para remoção do lodo, e um percentual tão significativo de esgoto tratado, justificam a tarifa do esgoto cobrada na conta “Esse processo de dragagem foi adotado para garantir a melhoria na eficiência da ETE e em quatro meses já superou o resultado que era esperado. Durante anos o lodo se acumulou no fundo das lagoas, podendo comprometer o desempenho do sistema de tratamento do esgoto”, concluiu o Diretor executivo do SAAE, engº André Pazzini Bonfim. (Assessoria de Comunicação/SAAE)