A Água em Garça

Publicado em: Água
A água é o mais vital dos recursos que a natureza nos oferece. Usamos água para beber, para a nossa alimentação e higiene pessoal, para o lazer, para uso medicinal e para diversas outras finalidades.

cicloagua

Para se ter uma idéia da importância da água para a vida na Terra, cerca de 1% de toda esta água é própria para o consumo humano. A água está presente até mesmo na composição do nosso corpo, sendo responsável por dois terços da nossa massa corpórea.

O ciclo hidrológico tem três componentes principais: precipitações, evaporação e transporte de vapor.

A água se precipita do céu como chuva ou neve, a maior parte caindo no mar. Retorna à atmosfera através da evaporação. Uma pequena parte da água que cai na terra é retida e absorvida pela vegetação ou outros organismos e a maior parte corre para o mar, seja como água de escoamento superficial (runoff) ou como água subterrânea.

Na direção inversa, o vapor d'água é levado por correntes atmosféricas do mar para a terra, e o ciclo se completa com novas precipitações. As precipitações que caem no solo representam a renovação deste precioso recurso do qual depende a vida terrestre.

Mas para que você possa desfrutar dos benefícios da água, ela deve ser tratada antes de chegar à torneira da sua casa.

Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície (água subterrânea).

Só uma fração muito pequena (cerca de 1%) de toda a água terrestre está diretamente disponível ao homem e aos outros organismos, sob a forma de lagos e rios, ou como umidade presente no solo, na atmosfera e como componente dos mais diversos organismos.


Bacias Hidrográficas Aguapeí/Peixe

De onde vem a água que abastece a cidade de Garça?

A água que abastece a cidade de Garça é proveniente de recursos hídricos superficiais da microbacia do Córrego Barreiro, que faz parte da Bacia Hidrográfica Aguapeí - UGRHI 20. O córrego Barreiro tem suas nascentes em áreas urbanas como o Jardim dos Eucaliptos, Jardim Paineiras, Jardim Adrianita e bairro Agua da Prata, e também em área rural, como a Fazenda Santa Eulalia. Depois segue seu caminho até a Estação de Captação B1, localizada na Fazenda Rocinha, que manda a água para a Estação B2, localizada na Fazenda Cascata. A Fazenda Cascata também recebe água de sua própria represa e toda a água segue para o tratamento de água e distribuição. Esta área possui cerca de 5.000 hectares ou 50Km2.

 

Conceitos

Nascente: área onde surgem os olhos d’água que dão origem a um curso fluvial.
Rio: corrente d’água que se desloca de um curso superior até outro mais baixo.
Bacia Hidrográfica: área geograficamente delimitada por espigões e drenada por um rio principal, seus afluentes e subafluentes.
Divisor de Águas: porção mais elevada do terreno que separa os rios de diferentes bacias hidrográficas.
Manancial: qualquer corpo d’água, superficial ou subterrâneo, usado para abastecimento humano, animal, industrial ou agrícola.

 

mapa

Mapa das Bacias Hidrográficas Aguapeí/Peixe

 

Características da Bacia do Aguapeí

Número de Municípios: 32
Área: 13.068 km2
População: 339.629 hab. (censo 2000)
Socioeconomia:
-densidade demografia: 25,98 hab./km2
-atividade predominante: agropecuária
-principais produtos: café, milho, feijão, amendoim, pastagem
-atividades industriais: mineração não metálica, olarias
Extensão: 420 km até a sua foz no rio Paraná
Área com Vegetação Nativa: 55.662 ha; 4,26% da área
Criticidade à Erosão: alta 75; média 20; baixa 5 (% da área total)
Área Irrigada: 9.854 ha

 

Características da Bacia do Peixe

Número de Municípios: 26
Área: 12.393 km2
População: 413.829 habitantes (censo 2000)
Socioeconomia:
-densidade: 33,39 hab./km2
-atividade predominante: agropecuária (cana, feijão, milho, amendoim, pastagem 70%)
-principais atividades industriais: agroindústrias, frigoríficos, alimentos, óleos, gorduras vegetais
Extensão: 380 km até sua foz no rio Paraná
Área com Vegetação Nativa: 31.823 ha; 2,95%
Criticidade à Erosão: alta 80; média 20; baixa 0 (% da área total)
Área Irrigada: 6.196 ha

 

divisor

Mapa divisor de águas na cidade de Garça


Uso racional da água

aguacrianca A água vem se tornando cada vez mais escassa à medida em que a população, a indústria e a agricultura se expandem. Embora os usos da água variem de país para país, a agricultura é a atividade que mais consome água.

É possível atenuar a diminuição das reservas locais de água se duas maneiras: pode-se aumentar a captação, represando-se rios ou "minando-se" a água subterrânea; e pode-se conservar as reservas já exploradas, seja aumentando-se a eficiência na irrigação ou importando alimentos em maior escala (estratégia que pode ser necessária para alguns países, a fim de reduzir o consumo de água na agricultura).

Assegurar a quantidade de água necessária não basta. É preciso manter a qualidade da água. Milhares de lagos estão atualmente sujeitos à acidificação ou à eutroficação - processo pelo qual grandes aportes de nutrientes, particularmente fosfatos, levam ao crescimento excessivo de algas. Quando as algas em quantidade excessiva morrem, sua degradação microbiológica consome grande parte do oxigênio dissolvido na água, piorando as condições para a vida aquática. É possível restaurar a qualidade da água nos lagos, mas há um custo e o processo leva anos.

Embora a poluição dos lagos e dos rios seja potencialmente reversível, o mesmo não acontece com a água subterrânea. Como a água subterrânea não recebe oxigênio atmosférico, sua capacidade de autopurificação é muito baixa, pois o trabalho de degradação microbiana demanda oxigênio. A única abordagem racional é evitar a contaminação.

Por sua vez, a recuperação da qualidade da água do oceano é incomparavelmente mais difícil do que a dos lagos e dos rios, que dita ainda mais precaução nesse caso.

Tornou-se clara a necessidade de uma abordagem integrada. Expectativas sócio-econômicas devem se harmonizar com as expectativas ambientais, de modo que os centros humanos, os centros de produção de energia, as indústrias, os setores agrícola, florestal, de pesca e de vida silvestre possam coexistir. Nem sempre o fato de existirem interesses variados significa que devam ser conflitantes. Podem ser sinergísticos. Por exemplo, controle de erosão caminha junto com reflorestamento, prevenção de enchentes e conservação de água.

Um projeto de manejo de recursos hídricos deveria visar mais um aumento da eficiência no consumo de água do que um aumento da disponibilidade de água. O aumento do fornecimento de água é usualmente mais caro e apenas adia uma crise. Para alguns países, aumentar a eficiência é a única solução às vezes. A irrigação pode ser e geralmente é terrivelmente ineficiente. Na média mundial, menos de 40% de toda a água usada na irrigação é absorvida pela plantação. O resto se perde.

copoagua Um dos problemas trazidos pela irrigação excessiva é a salinização. À medida que a água se evapora ou é absorvida pelas plantas, uma quantidade de sal se deposita e se acumula no solo. Novas técnicas de micro-irrigação, pelas quais tubulações perfuradas levam a água diretamente às plantas, fornecem boa maneira de conservar a água.

A captação de água subterrânea para aumentar o fornecimento de água deveria ser evitada a todo custo — a menos que se garanta que o aqüífero de onde se tira a água será reabastecido. Como a água subterrânea se mantém fora do alcance de nossas vistas, pode se tornar poluída gradualmente sem excitar o clamor público, até que seja tarde demais para reverter o dano causado pela poluição.

A adoção de programas de prevenção de poluição é preferível à utilização de técnicas de remoção de contaminantes em água poluída, uma vez que a tecnologia de purificação é cara e complexa à medida que o número de contaminantes cresce.

 

Lembre-se...

“A água é o constituinte mais característico da Terra. Ingrediente essencial da vida, a água é talvez o recurso mais precioso que a Terra fornece à humanidade. Embora se observe pelos países mundo afora tanta negligência e tanta falta de visão com relação a este recurso, é de se esperar que os seres humanos tenham pela água grande respeito, que procurem manter seus reservatórios naturais e salvaguardar sua pureza. De fato, o futuro da espécie humana e de muitas outras espécies pode ficar comprometido a menos que haja uma melhora significativa na administração dos recursos hídricos terrestres”.

J.W.Maurits la Rivière (Ph.D. em Microbiologia, Delft University of Technology, Holanda)

Atualizado em: : 10/01/2017 10:58
Imprimir Página PDF E-mail
Design by: XOOPS UI/UX Team